segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Inventariação dos Elementos Patrimoniais da Bacia Hidrográfica do Rio Tinto

A identificação, o estudo, a reabilitação e a valorização do património arquitetónico, natural e imaterial, existente na bacia hidrográfica do rio Tinto constituem um dos eixos de atuação do nosso Movimento.
Cientes da importância para a cidade e para a sua população desse aspeto determinante, estamos a proceder à inventariação e estudo dos elementos patrimoniais existentes ao longo do leito e das margens das linhas de água que compõem a bacia hidrográfica do rio Tinto como moinhos, açudes, levadas, canais e sistemas de rega, lavadouros, habitações e outras estruturas que de alguma forma estiveram ou estão ligadas ao rio. Mas como não podemos dissociar o património arquitetónico do património imaterial, ou seja, das pessoas que ajudaram a que o rio em épocas anteriores tivesse vida, estamos também a recolher depoimentos de antigas lavadeiras, antigos moleiros e antigos e atuais moradores vizinhos do rio que nos ajudarão a reconstituir as vivências, as atividades e as práticas, muitas delas ancestrais, que passaram de geração em geração.

Este trabalho de inventariação, estudo e de recolha será uma peça fundamental para podermos avançar junto da Câmara Municipal de Gondomar para uma proposta de classificação patrimonial que represente a memória e a identidade do rio. A classificação patrimonial é um ato administrativo de valorização do património mas também de defesa contra a sua destruição e desaparecimento
Um outro objetivo deste projeto passará pela tentativa de reabilitação de algumas dessas infra-estruturas, o que terá como finalidade a constituição de um espaço patrimonial, cultural e ambiental, que será colocado à disposição das escolas, das instituições e do público em geral,  espaço esse que terá como missão divulgar a história do rio e seu património arquitetónico, ambiental, natural e imaterial.
Um trabalho deste tipo só poderá ser devidamente conseguido, com a colaboração de quem disponha de elementos de qualquer tipo que possam integrar esta inventariação. Por isso, aqui deixamos o apelo aos nossos leitores: se possui documentos, tais como fotos, registos, descrições, se conhece factos relativos à história do rio Tinto, se sabe de pessoas que conservam memórias com interesse para se reconstruir a sua história, entre em contacto com o nosso Movimento, através dos meios que encontrará neste blog. O rio agradece.

Sem comentários: