sábado, 19 de maio de 2012

Estivemos na LIPOR

Conforme o previsto, estivemos, na manhã de hoje, na LIPOR, onde fomos amavelmente recebidos.
Éramos cerca de trinta , tendo a visita sido iniciada, no auditório da empresa,com uma breve apresentação, a cargo do Engº  Filipe Carneiro sobre a " A História de uma liixeira" onde se documentavam as diversas etapas por que passou a deposição de lixos naquela zona. Do mesmo modo se deram a conhecer as principais preocupações da LIPOR em termos ambientais bem como processos experimentais em curso, nomeadamente para o tratamento de lixiviados..


De salientar a grande transformação operada nesse local, desde a descontrolada deposição inicial de resíduos (década de 60) até à posterior selagem do aterro que hoje se apresenta como uma apraziível colina coberta de vegetação, que alberga um agradável "Parque Aventura"(visitado em 2011 por cerca de 26 mil pessoas) aberto à salutar fruição dos cidadãos.
Seguiu-se um período de perguntas e respostas onde o Dr Fernando Leite, Administrador Delegado da LIPOR, acompanhado por outros técnicos da empresa, designadamente o EngºAbílio Almeida, prestou esclarecimentos diversos.


Em síntese, foi referida a disponibilidade de a LIPOR patrocinar a monitorização de todo o rio Tinto desde  que tal seja solicitado por uma entidade responsável, neste caso, a CCDRN (já o fazem no rio Leça). Reconheceu-se que existe nesta zona um problema de excesso de azoto amoniacal mas há outros focos de poluição  que  são, de há muito, conhecidos.
Aquele dirigente acentuou a ideia de que o rio Tinto só poderá ser recuperado desde que se proceda à sua renaturalização. Aliás, a empresa pagou um projeto de despoluição do rio, que, como é óbvio, não lhe cabe executar.
Seguiu-se uma caminhada dentro das instalações da empresa, com destaque para o trajeto circundante da colina do Parque Aventura.


O Movimento em Defesa do Rio Tinto agradeceu a disponibilidade e a cordialidade da receção e reafirmou a intenção de prosseguir o diálogo e a colaboração com a LIPOR.

2 comentários:

Anónimo disse...

Boa tarde,
Tive pena de não poder ir. Gostava no entanto que fossem mais especificos divulgando que entendimento tem a Lipor sobre os efeitos do aterro no rio e se esse entendimento do vosso ponto de vista é aceitável.
Obrigado e bom trabalho!
Joaquim Pereira (Ermesinde)

Anónimo disse...

A LIPOR considera que não contribui para a poluição do rio Tinto. Solicitamos, à LIPOR, os resultadas das análises das águas subterrâneas que, por lei, têm que fazer na área da implantação do aterro. Assim que tivermos mais informações voltaremos ao assunto.

Paulo Silva
Movimento em Defesa do Rio Tinto