quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Projeto Parque Público da Levada

Realizou-se ontem, no salão da Junta de Freguesia de Rio Tinto a apresentação de mais um projeto para a transformação do Centro Cívico da nossa cidade.
A iniciativa, promovida pelo nosso movimento, começou com uma breve introdução, a cargo dos nossos companheiros Carlos Duarte e Marta Macedo.

Chamou.se a atenção para o grave problema da desafetação de espaços territoriais sensíveis situados em zonas nobres que estão em vias de serem retiradas da Reserva Agrícola Nacional e da Reserva Ecológica Nacional. Deste modo, dotar-se-ia de capacidade construtiva terrenos até agora protegidos. Ou seja, teríamos mais betão em detrimento de espaços verdes.
Realçou-se também o facto de esse processo de desafetação ter sido acionado pelo anterior executivo camarário mas que o atual encaminhou para aprovação superior, sem oposição concludente e eficaz. Isto apesar do anunciado projeto para o Centro Cívico que este executivo apresentou fazer cair, para já, a aberrante construção de 4 altas torres nos terrenos do antigo mercado municipal (algo a que o Movimento sempre se opôs frontalmente) e para onde se propõe agora um parque com diversas funcionalidades . Mas nesse local, que se recorda, fica junto da ribeira da Castanheira, se viessem a ser aprovados os novos mapas de ordenamento, nada impediria, no futuro, a construção de imóveis.
Em seguida, os arquitetos paisagistas Ana Rita Lima e Rodrigo Barbosa,apresentaram o projeto Parque Público da Levada, de que são co-autores juntamente com Alexandre Sá (que não pôde estar presente).
Em síntese, esta proposta prevê a implantação de extensas zonas arborizadas entre a zona do antigo mercado e a bouça de São Caetano, a criação de um parque multifuncional nos terrenos do antigo mercado, função que voltaria a ser possível naquele espaço, construção de circuitos pedonais e cicclovias e de equipamentos de carater lúdico e desportivo, bem como hortas urbanas. Dentro de um conceito base definido como Desporto e Lazer.

Na parte final da sessão abriu-se o debate, tendo-se registado várias intervenções dos presentes, evidenciando preocupações diversas a propósito do futuro de tão sensíveis como importantes parcelas do centro de Rio Tinto.

1 comentário:

Fernando Pinto disse...

O PDM anterior apesar dos erros foi um primeiro passo para tentar a gestão de muitos interesses. Para a época previa e evitava alguns desmandos, mas infelizmente depressa foi distorcido. Os contratos obscuros foram ocorrendo e à luz do que hoje se conhece estão a um passo de gerar as ansiadas mais valias, privar Rio Tinto do seu rio e de espaços verdes e de lazer tão necessários, para tornar a cidade num local interessante. Esperava deste presidente quanto a estes negócios e decisões, transparência e clareza que os contrariasse. Sinto-me defraudado. Mais tarde ou mais cedo todos vamos meter a mão à consciência e concluir que cometemos dos piores erros de que há memória. Podemos fazer alguma coisa?
Louvo a vossa persistência e faço um apelo à mobilização de todos os Riotintenses para o evitar.
Bem hajam