domingo, 26 de março de 2017

E foi assim a 10ª

Chegámos aos dois dígitos. A 10ª Caminhada cumpriu-se hoje. Atingir esta marca tem dois sabores. Um positivo pois significa que o Movimento em Defesa do Rio Tinto, continua, ativo,atuante, determinado. Se calhar contrariando os desejos de alguns.Mas inegavelmente com o apoio e o elogio de muitos, muitos mais. E conseguindo, com a nossa luta, alguns resultados valorizáveis tendo em vista uma melhoria da saúde do rio. Mas há outro sabor, um pouco oposto a este. Ter que caminhar, ainda mais uma vez pelo rio, quer dizer que muito ainda há que mudar, muito ainda há que exigir, muito há por que continuar a lutar. Pelo rio, pelas suas margens, pelo seu enquadramento urbano.
Hoje, estivemos, pois, na rua. Apesar das condições meteorológicas bastante desfavoráveis, mais de uma centena de "resistentes" caminhou junto ao rio que defende. Por causa da chuva, fomos menos do que é costume. Mas a nossa "teimosia" acabou por ser recompensada pois logo depois do início da caminhada a chuva deu tréguas. Afinal a Natureza sempre acaba por recompensar quem a defende.
Aqui ficam algumas imagens sobre a nossa 10ª

Concentração, ainda de guarda-chuva aberto.

Breves palavras de abertura:
A partida:
Ali ao lado, corre o rio, vergonhosamente entubado, por interesses que a História vai gradualmente desmascarando
Pedro Teiga, sempre presente, num dos momentos de reflexão sobre diversos aspetos que envolvem a defesa do ambiente.
Retenhamos estas suas palavras:"O Movimento em Defesa do Rio Tinto não são apenas alguns que coordenam, de algum modo, as atividades. O Movimento, somos todos nós, que nelas participamos, que damos corpo à luta por um rio melhor. O Movimento é, afinal, uma ideia. "
 E lá continuámos (e aqui já não chovia...)
 Sob o céu, já azul, junto à ETAR do Meiral
Por campos um pouco enlameados, olhando bem para o chão, para evitar escorregadelas
A habitual paragem no pontão de Pego Negro
Por escadinhas, continuámos
Desta vez fomos até ao Parque Oriental do Porto
O rio Tinto bem ali ao lado.
Como foi sublinhado pelo Paulo Silva, este parque só poderá ser verdadeiramente aprazível, quando o rio for totalmente despoluído.
Já no caminho de regresso, contemplando "despojos antigos"...
A célebre descarga de águas não devidamente tratadas da ETAR do Meiral que continuam diariamente a contaminar o rio. Espera-se ansiosamente pela construção já aprovada do coletor que conduzirá estas descargas diretamente para o rio Douro, que, com muito maior caudal, as receberá de modo muito menos contundente. Esta foi uma solução defendida anos a fio pelo Movimento, mas que foi desdenhada por uma série de entidades com responsabilidades. O futuro deu,nos razão. Valeu a pena sermos "teimosos"...
Já perto do fim. A propósito: aquela placa que indica que ao lado corre o rio foi sugestão do Movimento:
Eis um aberrante exemplo de comportamentos que não podem ser tolerados:

A 10ª terminou junto ao final do entubamento do rio.
Palavras finais, com a promessa de que o Movimento continuará a sua missão. Não desistiremos da luta por um rio melhor, por uma cidade com um centro cívico verdadeiramente verde. Elogiando o que for de elogiar. Denunciando o que for de denunciar.
Até breve!

2 comentários:

Anónimo disse...

Uma reportagem serena e rigorosa do que se passou. Parabéns pela iniciativa e pela assertiva e construtiva persistência.
Há os que se entregam de maneira servil aos grandes interesses. Há os que aparecem apenas quando dá jeito. Hoje não compareceram! Não compareceram vistosamente. Por vergonha? por sujarem os sapatos? por ser cada vez mais difícil estar de bem com a defesa de um rio que diziam e dizem defendiam desentubado no centro da cidade? por agora, sem argumentos politicos e morais válidos, estar empenhados em privar todo um povo das suas origens de vida e "um o rio, vergonhosamente entubado, por interesses que a História vai gradualmente desmascarando."
É igualmente triste, muito triste, ver anunciado um parque de caravanas para o antigo espaço da feira, com potencial de fruição natural. E nada, ou muito pouco, ser feito salvar o que resta do património ribeirinho.
Esses manhosos e falsos defensores do rio e da natureza que revelam ignorância e desconhecimento crescente abominam quem os enfrenta.
Mais uma vez parabéns.
TF

Carlos Duarte Magalhães disse...

Não percebi. Pode clarificar?