sábado, 24 de janeiro de 2009

Continuamos!

foto MOVE RIO TINTO

Os visitantes habituais deste espaço deram conta de um interregno na publicação de posts.

Tal facto tem a ver com uma questão básica: o Movimento em Defesa de Rio Tinto, vive, obviamente, do voluntariado de gente que assume uma missão de cidadania e de intervenção que nem sempre é facilmente conciliável com o exercício profissional de cada um(a).

No entanto, apesar de aparentemente parado, este blog, expressão do Movimento que o originou, não morreu.

Assim como o rio, continuou a correr.

Assim como o rio, que continuou a correr, mesmo quando o ocultaram dos nossos olhos, este Movimento "está condenado" a continuar.

Porque estão por eliminar os grandes focos de poluição do rio.

Porque falta requalificar, aproveitar e valorizar o rio, renaturalizando as suas margens.

Porque falta dar sentido ao rio, através da construção de espaços com potencial lúdico, recreativo, educativo.

Porque falta ligar à cidade os locais de interesse histórico e cultural bem como as pouquissimas áreas verdes que restam, colocando-os aos serviço das pessoas.

Mas, também porque este Movimento já tem no seu historial momentos significativos de intervenção e mobilização em torno de uma causa que não pode esmorecer.

Porque há ainda muito para fazer, muito que agir.

Por tudo isto, CONTINUAMOS!

Nos próximos posts iremos dando conta de acções entretanto realizadas e outras que estão desde já previstas.

5 comentários:

Pedro disse...

Parabéns ao "Movimento em Defesa do Rio Tinto" pelo vosso empenho e dedicação. Parabéns aos que dedicam o seu tempo e movem esforços nesta causa.
Hoje o rio Tinto esta a ficar com melhor qualidade está a lavar-se com as chuvas de Inverno!
Temos de o ajudar e aproveitar esta altura para que os poluidores parem de descarregar no rio os efluentes e resíduos domésticos!
Vamos continuar a caminhada com perseverança e um passo de cada vez.
Pedro Teiga – Coordenador Nacional do Projecto Rios.

Anónimo disse...

Qualquer pessoa minimamente informada sabe perfeitamente, que estes movimentos existem graças ao voluntarismo de alguns, o que preocupa é que são poucos, se mais se dedicassem a estas causas, daria para se ir revesando, o que não é o caso... Mas o mais grave no meio disto e que se deve denunciar, é a aposta feita pelas instituições... o esquecimento, sabendo da dificuldade destes movimentos, vão entretendo, até que as pessoas desistam... mas nós, os riotintenses, não esquecemos as promessas feitas por todos...
Ao trabalho! - Adérito Machado

Anónimo disse...

O vosso exemplo é duma nobreza sem limites, que só pode merecer a nossa admiração e fazer crescer a vontade de participar.
Cabe-nos a responsabilidade de tudo fazer para vencer a ignorância.
Que cada um faça a sua parte. Um abraço.

Anónimo disse...

O exercício consciente da cidadania exige a congregação de muitas vontades esclarecidas e empenhadas. O vosso exemplo é a todos os títulos meritório! Não desfaleçam.
Estou longe, muito longe, do curso do Rio, das suas margens, da sua nascente, da sua foz... Mas é o apelo do lugar onde nasci, junto à Estação, do Rio onde, miúdo ainda, pescava uns peixinhos (já nessa altura só podia fazê-lo nos dias em que não se despejam nele os resíduos da lavagem dos arnazéns de azeite e vinho que ficavam popr detrás da Estação...)tomava banho (com muito cuidado, para não cortar os pés nas pedras pontiagudas e outros «cacos» que acamavam no leito do rio, aí onde havia uma represa junto à ribanceira da linha do combóio...), enfim, onde os miúdos disfrutavam e as mulheres ainda lavavam roupa... Outros tempo. Já passei em Rio Tinto entretanto mas não tenho memória de ter visto o Rio! Que pena! Deve estar, no local onde o conheci melhor, soterrado, escondido, certamente agora ainda mais mal cheiroso... Se puderem, recuperem, lutando, a nossa memória, o nosso Rio para o entregarmos aos vindouros, pelo menos, tão límpido quando o recebemos. Já não era mau, embora o ideal exija mais.
Vou pelo menos acompanhar o V/trabalho à distância, crendo que é possível melhorar a Cidade, restituindo-lhe o seu Rio.

José Manuel Martins

Ângela Pinto disse...

Vejo que o rio para si tem um valor simbólico ligado ao lazer, às férias e aos banhos. A vida de Rio Tinto passou pelo rio e as pessoas têm essa memória, constituindo ainda um elemento de identidade local muito forte.
O nosso modelo de desenvolvimento tornou-o em poucos anos imprestável.
Para o despoluir, dar-lhe utilidade e dignidade, é preciso dinheiro, soluções técnicas e ambientais correctas.
Sabe-se que os decisores públicos não podem fazer tudo e torna-se inadiável o envolvimento de todos os riotintenses.
No entanto, pelo que conheço, tem sido muito difícil ultrapassar uma certa mentalidade, espécie de defesa para a falta de iniciativa e inabilidade, que afasta os interessados dos processos que se querem transparentes e participados.
O rio há-de continuar a correr!!! com o incentivo, o optimismo e os pequenos contributos dos que sonham, e, para esse objectivo, correr limpo e alegre, trabalham.
Um abraço a todos e melhores sucessos para o rio Tinto.