domingo, 28 de outubro de 2012

Ainda o Projeto Parque da Levada

Os jovens futuros arquitetos paisagistas que nos apresentaram este audacioso e inovador projeto, partiram de objetivos claros:


Base de intervenção e recuperação da qualidade ambiental e visual, pensado para a qualidade sensorial e a qualidade ecológica do lugar, otimizando o funcionamento sustentável dos sistemas vivos em relação aos utilizadores

Recuperar as linhas de água e das suas margens, promovendo oportunidades de biodiversidade e de recreio associado à contemplação e o contacto dos utilizadores com os elementos naturais, oportunidades de estadia ao sol e à sombra.

Otimizar o esforço de manutenção e gestão, relocalização dos estabelecimentos industriais presentes em leito de cheia.

Potenciar competências culturais e de informação local em relação à utilização do espaço

Sensibilizar a população para temáticas como: importância da água, história e cultura, património cultural e natural, preservação e conservação, biodiversidade, etc.

Eis a área de intervenção do Projeto:
Entretanto, um facto que resultou claro na sessão de apresentação desta alternativa é que ele tem de ser assumido sem tibiezas nem meias palavras pelos decisores.Não basta louvar o Projeto sem dele tirar as devidas consequências. Porque ele significa uma rotura com um passado de colossais erros assentes em visões distorcidas da realidade ou mesmo em interesses mais ou menos encapotados mas de voracidade clara.
Aliás, algumas ausências na sessão de apresentação do passado dia 20, foram por de mais ruidosas para que possam passar em claro.
O nosso Movimento vai continuar insistir nesta procura de alternativas à triste realidade com que nos querem confrontar, como se ela assentasse em  factos incontornáveis e em impossibilidades inevitáveis, sem debate publico, sem disponibilidade para aceitar que há espaço para outras soluções.

Sem comentários: